Brasil

Um povo que pertence a si.

O Preconceito que persegue o povo nordestino sempre tentou criar um conceito aos que de fora enxergam, que o nordestino não era capaz de fazer acontecer, que a força não vinha até que a chuva chegasse, um marco na quebra desse conceito, foi na guerra de canudos, onde o líder Antonio Conselheiro comandou uma força de resistência na Bahia e essa força se imortalizou no livro “Os Sertões” de Euclides da Cunha, na força dos versos de patativa do Assaré o nordestino mostrou que também sabe sua força, nas obras de Ariano Suassuna o nordestino mostrou que tem orgulho do seu lugar, nas músicas do Luiz Gonzaga ele mostrou que é no nordeste que ele quer ficar.
Mesmo tanta afirmação de sua força, assim como a seca, o preconceito sempre o persegue e sua resistência é tratada com desdém por esses que possuem o preconceito, quando vai votar o nordestino leva consigo as dores que o perseguem e o preconceito com o povo nordestino sempre tentou criar um conceito aos que de fora enxergam, que o nordestino não era capaz de fazer acontecer, que a força não vinha até que a chuva chegasse, um marco na quebra desse conceito, foi na guerra de canudos, onde o líder Antonio Conselheiro comandou uma força de resistência na Bahia e essa força se imortalizou no livro “Os Sertões” de Euclides da Cunha, na força dos versos de patativa do Assaré o nordestino mostrou que também sabe sua força, nas obras de Ariano Suassuna o nordestino mostrou que tem orgulho do seu lugar, nas músicas do Luiz Gonzaga ele mostrou que é nordeste que ele quer ficar.
Mesmo tanta afirmação de sua força, assim como a seca, o preconceito sempre o persegue e sua resistência é tratada com desdém por esses que possuem o preconceito, quando vai votar o nordestino leva consigo as dores que o perseguem e principalmente a força que lhe sustenta, mas isso só é compreendido por quem essa realidade viveu, por isso não adianta tentar tomar o nordeste de alguém, o nordeste é do seu povo.

Enthony Torres

Estudante de Direito e comprometido com a justiça social.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo